José dos Santos Vaquinhas an Hugo Schuchardt (B0022)

von José dos Santos Vaquinhas

an Hugo Schuchardt

Unbekannt

03. 11. 1884

language Portugiesisch

Schlagwörter: Sociedade de Geografia de Lisboalanguage Portugiesischbasierte Kreolsprache (Java)language Portugiesischbasierte Kreolsprache (Larantuka/Flores)language Portugiesischbasierte Kreolsprache (Timor)language Tetum Burnell, Arthur

Zitiervorschlag: José dos Santos Vaquinhas an Hugo Schuchardt (B0022). Unbekannt, 03. 11. 1884. Hrsg. von Hugo Cardoso und Silvio Moreira de Sousa (2015). In: Bernhard Hurch (Hrsg.): Hugo Schuchardt Archiv. Online unter https://gams.uni-graz.at/o:hsa.letter.4108, abgerufen am 30. 01. 2023. Handle: hdl.handle.net/ 11471/518.10.1.4108.


|1|

Illmo e Exmo Snr. Dr. Hugo Schuchardt
Professor na Universidade de Graz
Austria

Exmo. Snr.1

Recebi a carta de V Ex.a datada de 24 de Maio do corrente anno, e permitta-me V Ex.a que antes de tudo eu aprezente algumas considerações que o contheudo da sua carta me suggeriu.

Diz-me V Ex.a que o fallecido D.r Burnell lhe asseverou que em Batavia se fallava o portuguez corrupto. O D. r Burnell tem razão e creia V Ex.a que elle não se enganou; eu mesmo ouvi fallar em Batavia o portuguez corrupto e é por isso que assim o asseverei tambem nas minhas cartas, dirigidas á Sociedade de Geographia de Lisboa,2 citadas por V Ex.a para confirmar a opinião do D.rBurnell que investigou tudo com aquella minuciosidade de um verdadeiro inglez – e as pessoas que negam que em Batavia se falla o portuguez por aquella fórma, desconhecem por certo a língua portugueza e sobre tudo o que seja o portuguez corrupto; pois de contrario não posso explicar como haja quem negue a existencia de um tal facto.

Eu tambem posso assegurar a V Ex.a que n’alguns pontos da ilha Flores e n’outras proximas se falla ainda o mesmo portuguez corrupto, o que tive occasião de observar durante 16 annos que vivi na Oceania, onde aprendi a fallar alguns dialectos d’aquelles insulares e fiz muitas viagens por |2| aquellas ilhas.

O viajante ou curioso ainda que tenha muita vontade de investigar e de averiguar a verdade com relação aos povos da Oceania que são muito desconfiados não o póde fazer sem se internarem no interior das ilhas para obterem informações exactas e positivas e é isto justamente que poucos viajantes praticam. Se o viajante não entender algum dialecto ou deixar de ter bom interprete e não visitar o interior das ilhas como já disse, obterão sempre informações erradas e inexactas do primeiro pantomineiro ou cicerone que se faz comprehender ao viajante para lhe apanhar algumas moedas de prata – Das más informações resulta que muitas pessoas negam a existência do que não investigam ou não entenderam e ainda mais atrevem-se depois a pôr em duvida o testemunho occular de quem as investigou fielmente.

Eu devo voltar para Timor em maio ou junho de 18853 e logo que ali chegue enviarei os esclarecimentos que puder obter e que me são pedidos por V Ex.ª com relação aos dialectos de Timor e da língua creoula fallada na praça de Dilly-Timor.


1 Although this letter is classified in the Schuchardt catalogue as “Anonymous” and lacking date and place, it is clear that the author was José dos Santos Vaquinhas and, probably, this letter accompanied a manuscript Epistle to the Corinthians claimed to be in the Portuguese-based creole of Malacca: this manuscript (#2614) lacks an introductory text but is indeed signed by Vaquinhas and dated: Macau, November 3rd, 1884.

2 José dos Santos Vaquinhas was a correspondent of the Sociedade de Geographia de Lisboa, and published several short texts in the society’s bulletin. Here, he is referring to his letters published in 1883 (Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa 4ª Série, nr. 6, pp. 277-286 ), in one of which he reports on the portuguez […] estropiado ‘broken Portuguese’ spoken in Batavia.

3 In fact, Vaquinhas does send Schuchardt a letter from Timor dated November 30th, 1885, in which he announced the dispatch of some notes on the creole Portuguese of Dil

Faksimiles: Universitätsbibliothek Graz Abteilung für Sondersammlungen, Creative commons CC BY-NC https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/ (Sig. (B0022))