Zitiervorschlag: Anónimo (Bento Morganti) (Hrsg.): "Num. 12", in: O Anonymo. Repartido pelas semanas, para divertimento e utilidade do publico, Vol.1\012 (1752), S. 89-96, ediert in: Ertler, Klaus-Dieter / Fernández, Hans (Hrsg.): Die "Spectators" im internationalen Kontext. Digitale Edition, Graz 2011- . hdl.handle.net/11471/513.20.4499 [aufgerufen am: ].


Ebene 1►

N.°.12

Sobre a bebedisse.

Ebene 2► Allgemeine Erzählung► Entre algumas cousas divertidas, que encontro por estas partes, sam os ajuntamentos, que aos Domingos, e dias Santos se fazem ao pè de algumas ermidas de Baco, cujas ceremorias ordinarias principiam em hum jogo de bolla, q̃ junto a ellas armam os Ermitaès para mais convidarem os seus costumados Romeiros, aonde trabalhando incessantemente hum dia inteiro, vem buscar o descanço de huma semana laboriosa. Acaba-se o jogo, que quasi sempre, como dizem, he para vir, e com esta deligencia anda o [90] pichel em hum moto continuado de cà para là, e de là para cà sem cessar, e em breves audiencias observo quantidade daquelles homens com o juizo artificiosamente voltado, de sorte, que nam sei se me heide compadecer de sua miseria, ou rir de sua interina loucura. ◀Allgemeine Erzählung E he muito para admirar ver o desvanecimento, que concebem em ser cada hum o que mais bebe, ou segundo a sua expressam costumada, o que mais puxa. Nisto com discredito seu, e divertimento dos mais descobrem muitas vezes o que tem occulto com a cautela, e dam a cónhecer quasi todas as suas inclinaçoens, descobrem os seus interesses, fazem publicas as suas idéas, e mostram toda a fraqueza de seu espirito; e em huma destas occazioens me occorreo o que diz Horacio A. P. vers. 434.

Zitat/Motto► Reges ducuntur multis urgere culullis,
Et torquere mero, quem perspexisse laborent
An sit amicitiâa dignus.

Que quer dizer: Dizem, que certos Reys dam hùa agradavel, e rara tortura aos que querem alistar em numero de seus validos; fazem com que se embebedem para provar a sua discriçam, e por esse meyo julgam se merecem a sua confidencia.

Na verdade nam ha vicios mais incuraveis como sam aquelles de que os homens se desvanecem. Quem se nam admira em ver que se hade tirar vaidade da bebedisse? Exemplum► Anacharsis rogado em Corintho para se achar em hum jogo de bebedores, perguntou branda, e agradavelmente qual era o preço, porque quando algum corre por aposta, o primeiro que chega ao [91] fim tem direito de pedir a recompensa. ◀Exemplum Mas isto se nam observa nesta geraçam alterada; pois a honra cahe sobre aquelle, que pòde beber, e poem por terra, ou vence em continuar a beber, todos os seus camaradas a quem deixa alienados. Exemplum► Em certa occaziam se achava em certa companhia hum sogeito, e de muito boa qualidade, que suppotou quanto tinha bebido em vinte annos, e achou segundo seu calculo, que eram 23. barricas de sorveja bem forte fabricada no mez de Outubro, que he a melhor, quatro toneis de vinho de Portugal, meyo barril de sorveja ordinaria, dezanove barris de cidra, e tres de vinho de Champanha; sem contar quatrocentas planganas de ponche, e hum numero infinito de copos de agoa ardente, e outros licores fortes, que hia tomando a todas as horas do dia. ◀Exemplum Nam duvido, que os meus leitores se lembrem neste lugar de hum grande numero de homens moços de seu conhecimento, que tem tanta vaidade a este respeito como tinha o que agora acabo de referir, e que se pódem desvanece de acçoens tam gloriosas.

Os Filosofos modernos observam, que ha hum defeito geral da humanidade no Globo Terrestre, a que atribuem principalmente á produçam dos vegetavis, que convertem em sua propria substancia quantidade de corpos fluidos, que nam tornam ao seu primeiro estado. Mas como licença destes veneraveis Doutores; deviam tambem contar o numero infinito de Entes racionaes, que chupam o seu principal nutrimento de licores, e comparados com as outras creaturas deste mundo bebem muito mais da sua justa, e necessaria quantidade.

[92] Com todo isto, qualquer alta idèa que estes bebedores tenham de si mesmo, hum homem bebado he monstro mais horrendo, que outro algum de todo o Universo, e nam ha caracter mais digno de desprezo, nem mais deforme aos olhos de todas as pessoas racionaes, que o de hum destes. Exemplum► Quasi pelos annos de 280. de J.C. Bonoso Capitam originario de Espanhia se fez proclamar Emperador nas Gaulas; mas sendo derrotado, e vencido, foi suspenso em huma arvore por ordem de Probo. Era este Capitam de tal sorte dado à bebedisse, que hum de seus inimigos, que o vio pendurado, nam só sem compaixam, mas tambem por desprezo, lhe chamou Botelhapendente. ◀Exemplum

Bem se pòde dizer, que este vizio tem huma influencia maligna sobre o Espirito, sobre os corpos, e sobre a fortuna, e bens do que a elle se entrega.

A respeito do Espirito, descobre ainda o minimo defeito, que nelle ha. Hum homem sobrio, e virtuoso pòde encobrir, e sogeitar todos os vicios, e todas as dezordens a que he mais inclinado, mas o vinho faz brotar, e nacer toda a semente que està oculta no mais profundo da alma, irrita as paxoens, e dà forças aos objectos capazes de as produzir. Exemplum► Queixando-se hum homem moço a hum Filosofo lhe respondeu: Dialog► Amigo misturai menos agoa como o vinho, e vòs mesmo a fareis bem agradavel. E com effeito o vinho cõverteu a indifferença em amor: o amor em desconfianza, e a desconfiança em furor. ◀Dialog ◀Exemplum Muda muitas vezes hum homem de bom natural em louco verdeiro, e a colera em assassinio. Faz amargo-[93]zo o resentimento; a vaidade insoportavel, e faz aparecer todas as fraquezas do espirito na sua mayor deformidade.

Nam se estende somente a isto, porque ordinariamente passa a levar os homens aos excessos a que nam eram sogeitos. Exemplum► Seneca julgou por bem dizer, que a bebedisse nam produz, mas sim que descobre os defeitos; ◀Exemplum e he certo que he melhor esta expressam, que o solido do pensamento, porque a experiencia ensina o contrario. O vinho faz sahir, deixemme assim dizer, ao homem fóra de si mesmo, e lhe infunde qualidades no espirito, que nam conhecia quando era sobrio. Aquelle mesmo, que vos entretinha, e divertia, jà nam he o mesmo depois da terceira garrafa, nem o mesmo homem, que ao principio se sentou à vossa meza. Sobre isto he que se fundou huma das melhores Sentenças, que tenho lido, a qual se atribue a Publio Syro. Zitat/Motto► O que zomba de hum homem bebado, offende huma pessoa auzente. Qui abrium Ludifiat edit absentem. ◀Zitat/Motto

O certo he, q̃ a bebedisse faz obrar de hùa maneira directamète opposta à razaõ, q̃ deve trabalhar em desterrar do Espirito todos os vicios, que se tem feito senhores delle, e deffendello cõtra todos os q̃ o quizerem acometter. Mas alem destes pessimos effeitos q̃ a bebedisse produz na pessoa em q̃ domina, tem tambem huma influencia maligna sobre o espirito ainda quando està sobrio, porq̃ enfraquesse pouco apouco (sic) o entendimento; arruina a memoria; e pelos excessos reiterados converte todos os defeitos em habituaçam.

Allgemeine Erzählung► A este proposito me lembra agora hum conto verdadeiro, que succedeu com hum hom dos [94] illustres da sua Provincia. Era este Cavalheiro homé, como disse, se nam o mais illustre entre os do Reyno, o mais distinto em tudo na terra em que rezidia, tinha sido excellente soldado nas guerras passadas, cujo conhecido valor, deu nam pequeno explendor à sua familia; muito lido, muito applicado, e de hum espirito vivo, e agudo. Todos o estimavam pela sua conducta, e muitos delle recebiam repetidas vezes o cõselho mais solido a respeito da Milicia, e da politica. No socego da paz foi buscar o descanço na sua caza, porque nella tinha muito bem com que passar a abundancia, e luzimento, e com o tempo se foram avançando os annos, até que como reparo porporcionado para a conservaçam do calor ja damnificado com a idade, foi uzando da sua pinga de vinho, atras da pinga hum copo inteiro, logo passou a garrafa, immediatamente se achou bebendo a olho, e sem medida. Com esta dezordem entrou a mudar de conceito, e ja ninguem o conhecia, porque se fez outro do que era; ninguem o buscava nem para a conversa, nem para o conselho, porque enfraquecido o entendimento ja nam atinava com o justo, e destruida a memoria nem si proprio se lembrava, e só tinha a vontade muito livre para todas as vezes que queria se por no mizeravel estado de bebedisse. Seu filho Primogenito, e successor da sua caza, vendo como se achava convertida em desprezo toda estimaçam de seu illustre Pay, e movido de sentimento interno de observar comutadas todas as virtudes da mocidade em hum vicio abominavel nos ultimos annos da sua vida, e que todo explendor que adquirio quando era sobrio, lhe naõ podia conservar o respei- [95] to quando bebado, fazia todas as deligencias possiveis para o desviar daquella inclinaçam ignominioza; mas nada bastava, tudo era inutil tanto a deligencia como a persuaçam, porque de cada vez mais continuava no mesmo absurdo. Em certa occaziam se achava o filho à sua janella, e era hum dia de bastante chuva, e que a Rua se achava bastantemente cheya de lama; apareceo nella huma confuzam de homens, e rapazes, e no meyo delles hum bebado, a quem vinham perseguindo, para que impacientado destas impertinencias fizesse, e disesse hum numero infinito de despropozitos. Foi-se chegando mais para perto aquelle ajuntamento atè que por ultimo bem defronte da janella do cavalheiro, cahio no meyo da rua o tal homem, e involto todo na lama se fez huma porcaria. Serviam as rizadas, augmentavase o numero dos circunstantes, e todos uniformemente se divertiam como aquella mizeria; Achou entam o filho boa conjuntura para advirtir ao Pay que estava naquella hora sobrio, porque era de manham, pois vendo em seu juizo perfeito o passava hum homo no estado de bebado, lhe disse daquelle com muita modestia, Dialog► Veja V.M. o lamentavel estado daquelle pobre homem e he disgraça grande q̃ conservando-lhe Deos o juizo por natureza, elle o perca por artificio; que couza mais indigna pode practicar hù homem contra si mesmo, que destruir, e aniquilar a melhor couza que nelle despositou a Omnipotencia Divina, como he o entendimento por ser huma potentia da alma; ◀Dialog ouvio o bom velho com muita attençam as palavras do filho, sem tirar os olhos do bebado como quem estava contemplando nas suas ignominiosas acçoens, [96] e quando parecia, que a resposta seria muito concordante com aquella admiraçam para que o filho o tinha convidado, foi muito pelo contrario; porque soltando algumas lagrimas lhe respondeo como hum tom de voz muito enternecida: Dialog► Bem parece meu filho que nunca experimentastes as doçuras, e as consolaçoens que logra hum homem que se acha naquelle estado: provera à Deos que eu agora me achase tambem da mesma forma em que se acha aquelle homem. ◀Dialog Injuriado o filho voltou para dentro, e o bom velho ficou na mesma contemplaçam. ◀Allgemeine Erzählung Vejase agora como o vinho tinha neste homem pervertido o entendimento, que ainda estando sobrio soltou semelhante destempero! ◀Ebene 2 ◀Ebene 1